Globo colocou “Criança Esperança” no ar só pra dizer que fez

No início do ano a TV Globo resolveu cancelar o programa “Aventuras do Didi” e ao mesmo tempo rumores apontavam para o fim do show “Criança Esperança”, informação que foi desmentida pela emissora. Ontem tivemos a prova de que, na verdade, não houve um show do “Criança Esperança”.

Nas redes sociais era comum os internautas questionarem se estávamos virando o ano, afinal, a produção estava com cara de “Show da Virada”. Só foi possível ter certeza de que realmente era o show anual promovido pela Globo quando Renato Aragão entrou no palco e, mais uma vez, contou a história do menino que perguntava para a mãe se tinha pão no céu – também por conta das falas que os artistas liam no teleprompter após suas apresentações, expediente comum nesse evento.

Quem produziu a jornalista Patrícia Poeta? Não souberam valorizar sua beleza: o vestido estava ruim; cabelo e maquiagem, idem. Enquanto isso, Fernanda Lima esbanjava beleza e estava muito bem vestida e elegante.

Foi tudo muito rápido. Os artistas cantavam uma música em dueto, diziam duas ou três palavras e deixavam o palco. Patrícia, Fernanda e Lázaro Ramos faziam um gracejo, pediam doações e chamavam outro convidado.

Uma pressa tão evidente que era pouco mais de 23h30 quando o show chegou ao fim, algo bastante incomum para uma produção que costumava se estender até a madrugada.

Dá pra dar um desconto levando em conta que a Globo fez o “dia da esperança”, com programação “especial” desde a manhã de sábado.

Mas o que tinha de especial nessa programação? Absolutamente nada.

Em meio a tanta tecnologia e tantos profissionais criativos no mercado, vemos ano após ano os programas “Criança Esperança” e “Teleton” tendo cada vez menos investimento das emissoras que os produzem. Fica a doação pela doação.

Os artistas se apresentam, pedem para o telespectador ligar e se mandam.

Bons os tempos em que, mais que doar, podíamos apreciar bons programas. Ganhava o telespectador, as causas defendidas e as emissoras de TV, que tinham índices mais poupudos de audiência.

E olha que, com tantas chamadas anunciando o “dia da esperança”, realmente parecia que a Globo surpreenderia esse ano.

Fez o “Criança Esperança”, mas fez pra dizer que fez.

* Publicado originalmente em A TV Em Cena

Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

5 comentários :

  1. É Endrigo, acabou a criatividade.
    Do Criança Esperança sempre gostei do espetáculo, principalmente quando tinha ares teatrais, afinal a Campanha apoia projetos sociais voltados à cultura e educação.
    Neste ano já achei estranho a exibição no sábado do arroz com feijão servido na semana, sendo que não houve nada especial, só uma bancada de artistas atendendo telefonemas.
    O Criança Esperança foi uma desculpa para testar uma programação adulta e sem sal também aos sábados.

    ResponderExcluir
  2. Pode ser, mas nesse horário as afiliadas exibem produções próprias. como fazer? rs

    ResponderExcluir
  3. Ultimamente nada está bom para o dono deste espaço.Se estava tão ruim assim, porque então não ver outra coisa?? Estrano....

    ResponderExcluir
  4. Pelo menos o programa foi menor e não teve aquelas atrações circencense tão chatas.também concordo que a Patrícia Poeta estava linda ,como sempre,mas acho que ela deveria ter usado um vestido mais sensual p/ valorizar sua beleza,garanto que o programa teria mais audiencia.

    ResponderExcluir
  5. Para Endrigo, que o canal mudou a programação do sabado inteira, colocou todo o time da casa pra trabalhar no sabado... com os programas ao vivo. Fez bonito e arrecadou 13 miljões de reais.

    ResponderExcluir

.