"Lado a Lado" prova que a TV não vive somente de audiência


Não fui telespectador de "Lado a Lado". A novela foi exibida numa época em que estava mais fácil eu me apegar numa produção das 19h, e foi o que aconteceu com "Guerra dos Sexos".

Assisti ao último capítulo e adorei o show de Patrícia Pillar. Ao mesmo tempo, todos sabem que, mesmo admirando João Emanuel Carneiro, não gostei de "Avenida Brasil" e assistia somente por Adriana Esteves, que estava incrível.

Uma novela tão elogiada pela crítica, perto de outra que foi um sucesso de audiência, deu uma boa disputa. E aí que, tão massacrada por conta dos índices, e ao mesmo tempo em meio a tanto oba oba, venceu "Lado a Lado".

A Globo deve estar feliz, mesmo diante do estrago causado na faixa das 18h.

Audiência, eu sempre disse, é algo relativo. Tratei sobre isso em entrevista com a autora Cristianne Fridman, que escreveu "Essas Mulheres", até hoje uma das minhas favoritas.

Assim como "A Favorita", que merecia mais audiência que "Fina Estampa" e "Avenida".

Da mesma forma, qualidade também não se mede por números. O Ratinho foi um fenômeno na década de 90, assim como João Kléber, a banheira do Gugu e cia.

Ao mesmo tempo, números são fundamentais, pois garantem o faturamento de um produto. Conquistar as duas coisas, é que é o complicado da história.

Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

3 comentários :

  1. Na maioria das vezes os sucessos de crítica,não são sucessos de público.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

.