Falta ao “Agora É Tarde” o que sobra ao “The Noite”: personalidade!


Ao deixar a Band, Danilo Gentili despertou a “ira” da ex-emissora. O canal dos Saad percebeu que deixara escapar o seu então principal trunfo na programação. E partiu para a briga. Entre trocas de farpas, processos judiciais e a contratação de Rafinha Bastos para assumir o Agora É Tarde, a emissora só conseguiu alimentar a sensação de que começava uma rivalidade televisiva. Assim, a comparação entre o Agora É Tarde e o novo The Noite tornou-se inevitável, antes mesmo da estreia. Aos olhos do público e da crítica, os dois programas se tornaram concorrentes diretos, mesmo em dias em que não batem de frente.

Tentando sair na frente nesta nova “guerra”, a Band antecipou a estreia do novo Agora É Tarde para imediatamente após o Carnaval. Rafinha Bastos assumiu a atração logo na quarta-feira de cinzas, aproveitando-se de um dia da semana cujo Ibope costuma ser mais favorável. A manobra funcionou, e o programa, em termos de audiência, foi bem na estreia. Mas apenas os números foram favoráveis. A estreia em si parece não ter agradado muito.

Isso porque Rafinha Bastos, conhecido pela acidez de sua língua, surgiu manso em cena, causando estranheza. No início, mandou bem ao ironizar sua própria situação, ao proferir sentenças como “Danilo Gentili obrigou a Band a confiar em mim” ou “ficarei aqui até falar alguma merda de novo”. Maneira simpática e divertida de lidar com a situação. No entanto, o programa caiu quando partiu para a entrevista. Rafinha comandou um papo “cor de rosa” com Luan Santana, submetendo-o a perguntas e desafios tolos. Obviamente não se esperava que Rafinha passasse a noite zoando da cara do convidado. No entanto, não faria mal nenhum propor situações nas quais o convidado pudesse rir de si mesmo. Resumindo, foi chato. E a coisa não melhorou nas edições posteriores. Rafinha surgiu totalmente chapa-branca.

Na semana seguinte, entretanto, o fim de noite chacoalhou com a estreia de The Noite com Danilo Gentili. O anfitrião mostrou que realmente entende do riscado e retornou ao ar, agora pelo SBT, tinindo. Sua equipe, mais afinada do que nunca, mostrou as garras. E tudo funcionou muito bem: as ironias em torno da mudança de emissora, a apresentação de Diguinho Coruja, o novo locutor (que substitui Marcelo Mansfield, que ficou na Band), a abertura que brincava com os programas do SBT, as sugestões do apresentador quanto ao nome do programa (“Agora É Jequitarde com Danilo Jequitili” foi simplesmente genial!), o agradável e inspirado bate-papo com Fabio Porchat (que esteve longe do “oba-oba” das entrevistas do Rafinha)... enfim! Grande estreia, aprovada pelo público, pela crítica e pelos números.

Na semana em que finalmente rivalizaram de fato, Agora É Tarde e The Noite viveram situações opostas. Enquanto Danilo Gentili continuou surfando na onda do sucesso, comandando belas entrevistas com Rachel Sheherazade e Palmirinha Onofre, entre outros, Rafinha Bastos seguiu apagado em suas conversas com Latino, Ronnie Von ou Mr. Catra. No Ibope, The Noite tem garantindo médias em torno de 6 pontos, excelente marca para o horário em que é exibido e, não raro, tem beliscado a liderança na audiência. Por outro lado, Rafinha oscila entre 1,5 e 2 pontos, quase um “padrão” em se tratando da programação da Band. Ou seja: Danilo colocou Rafinha Bastos no bolso!

Se levarmos em consideração que Rafinha Bastos, assim como Gentili, também é um comediante talentoso e cheio de possibilidades, podemos questionar: o que o The Noite tem que o Agora É Tarde não tem? E a resposta é simples: personalidade! The Noite é a cara de Danilo: bem humorado, sarrista, descontraído. Seu programa apenas reflete a persona de seu anfitrião. E como ninguém reina sozinho, Danilo tem ao seu lado partners competentes, como Murilo Couto, Leo Lins ou a banda Ultraje a Rigor. Todos são afinados, o conjunto funciona. Por outro lado, sabemos, pelo histórico de Rafinha, que o apresentador também tem uma personalidade marcante, capaz de despertar amor ou ódio na audiência. Além disso, é um homem inteligente, dono de um vasto repertório. No entanto, isso não se reflete em seu atual programa. Agora É Tarde está no piloto automático, sem atrativo. Ainda não é o “programa do Rafinha”.

Cabe agora à direção do programa saber identificar quais qualidades de Rafinha poderiam ser aplicadas à atração, para tentar buscar seu diferencial. Enquanto isso, Rafinha poderia resgatar seu espírito anárquico e ácido, aproveitar melhor seus convidados e se divertir em cena, para que sua audiência também se divirta. Tudo bem que a orientação da Band é que ele “pegue leve”, mas há uma grande distância entre “pegar leve” e ser “totalmente bonzinho”. O novo Agora É Tarde está apenas começando e talvez seja apenas uma questão de tempo para que o novo apresentador fique mais à vontade e possa dizer a que veio. Talento para isso a gente sabe que ele tem.

Quanto ao The Noite... não há praticamente mais nada a dizer além do que já foi dito pela crítica em geral ao longo desta primeira semana. Mas vou repetir meus colegas para deixar registrada a opinião deste blog: o SBT acertou em cheio! The Noite é a melhor estreia da emissora em anos. O programa é dono de qualidades raras na programação da emissora de Silvio Santos e até destoa do restante da grade, que, no geral, é cambaleante e refém de formatos importados e reprises. Danilo Gentili e sua turma foram uma grande aquisição. Azar da Band, que deixou escapar seu grande curinga, e sorte do SBT, que pode contar com um programa tão bom em sua grade.

Por André San

Blog: www.tele-visao.zip.net
E-mail: andresantv@yahoo.com.br
Twitter: @AndreSanBlog 

Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 comentários :

  1. Agora é só aguardar a volta do melhor entrevistador da tv brasileira:Jô Soares.

    ResponderExcluir
  2. O Rafinha tem muito talento, mas está bem estranho no Agora é Tarde. Em nada lembra o Rafinha do You Tube, (8 minutos) e Cqc.
    PS. Gustavo Mendes é o único destaque até aqui ...

    ResponderExcluir
  3. Oi André!

    O Rafinha é um bom entrevistador. Ontem, por exemplo, fez um entrevista excelente com a Dulce Maria. Ao contrário de Danilo Gentili que insistiu em várias brincadeiras sem graça. Sem dúvida, o Gentili fez uma boa estreia no SBT. Mas esse tipo de programa funciona dependendo do entrevistado.

    E, por enquanto, o Rafinha só acertou a mão com a Dulce Maria. Foi o melhor programa dele a frente do Agora é Tarde. Imagino que aos poucos, Gentili e Rafinha vão se firmar no comando das suas respectivas atrações. Parabéns pelo texto!

    Um forte abraço,


    www.cafecomnoticias.com

    ResponderExcluir
  4. Concordo, Wander! Até vou escrever sobre isso, ontem foi ao ar a melhor entrevista do Rafinha

    ResponderExcluir

.