Na TV, 'panela velha' ainda faz comida boa


A TV brasileira está em fase de renovação. Basta olhar as tentativas da Globo, que alterou até a forma de se comunicar com o público em suas chamadas e está deixando de lado a programação gravada para apostar em atrações ao vivo — sem contar a 'grade flexível', o que é surpreendente quando o assunto é a 'poderosa', sempre conhecida por ser engessada.

Essas reformulações chegam para tentar conter a trajetória de queda, que não é exclusividade da Globo. Todos os canais estão com índices abaixo dos registrados em outros períodos. O SBT, por exemplo, festeja os números de "Chiquititas", mas suas telenovelas já superaram os 20 pontos, enquanto na Record, o "Cidade Alerta", um dos maiores resultados da emissora na atualidade, variava entre 15 e 20 pontos no passado.

O curioso, no entanto, é observar que, apesar da baixa, alguns 'velhinhos' da TV brasileira continuam atrapalhando a vida dos novatos. O "Programa Silvio Santos", por exemplo, já fez o "Big Brother Brasil", "The Ultimate Fighter", "Revenge", "Junto & Misturado", "SuperStar" e muitos outros comerem poeira aos domingos, quando costuma liderar após às 23h — o extinto "Programa do Gugu" mudou de horário no canal dos bispos logo após sua estreia, por não conseguir tirar a vice-liderança do 'patrão'.

Nas noites de quarta-feira, é comum "A Praça é Nossa" de Carlos Alberto de Nóbrega surrar a Record, que já penou mesmo com o reality "A Fazenda" e, nos últimos meses, não conseguiu superar a rede de Silvio Santos nem com um "Aprendiz" repleto de famosos. O humorístico chegou a bater o festejado "Tá no Ar", de Marcelo Adnet, uma das apostas da Globo para este ano.

As duas atrações também estão com números abaixo de seus tempos gloriosos, mas, apesar disso, vivem excelente fase. A conclusão justa, cabe observar, é que as formas de medição são outras, com número de residências com o 'peoplemeter' superior ao das outras décadas. Uma realidade totalmente diferente, que resulta em diversas notícias sobre 'a pior audiência da história'.

Independente disso, enquanto 'novatos' como Luciano Huck, Eliana, Rodrigo Faro, Danilo Gentili, Rafinha Bastos, Rafael Cortez e cia, ora estão bem, ora com números oscilantes, os responsáveis pelas primeiras produções televisivas do país seguem em evidência tanto pelo talento quanto pelos telespectadores que ainda conseguem arrebatar.

Bem diz a clássica canção de Sérgio Reis: panela 'velha' é que faz comida boa...

Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário

.