Para segurar audiência, Globo copia Record e explora morte de cantor à exaustão


Quem diria, a Record, que foi e é apedrejada pela cobertura extensa que faz de tragédias, teria a mesma postura adotada pela Globo.

É surpreendente o espaço que a emissora carioca tem dado para a cobertura da morte do cantor Cristiano Araújo. Teve direito a Vídeo Show especial durante toda a tarde.

É um artista que eu particularmente não conhecia. Até entendo  que o fato do acidente trágico faça com que o espaço dedicado seja tão grande, mas não me lembro de ter visto algo assim para Hebe, por exemplo, que era muito mais conhecida.

Como disse o Stycer, aparentemente a impressão que dá é que agora será assim: o comportamento visto em razão da partida de Cristiano será comum nas  TVs.

Eu mesmo já publiquei que com essa tendência de programas ao vivo o óbvio irá acontecer: mais e mais sensacionalismo.

Ou seja, a Record passa a ter concorrentes competindo de igual para igual.

O resultado dessa fobia por segurar o público é que diversos profissionais acabaram matando Cristiano Ronaldo. Até Fátima Bernardes fez isso.

Quero deixar claro que não estou criticando por não conhecer Cristiano. A cobertura deve ser feita. Mas se não existem novas informações, passar o dia repetindo 500 vezes a mesma coisa, é desnecessário.

Por essas e outras não tenho mais vontade de ver TV aberta. Serviços on demand estão roubando minha atenção,

Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário

.