Sucesso dos anos 80, Cambalacho estreia em agosto no Viva



A dupla de trambiqueiros Naná e Jejê, a mecânica Ana Machadão, a caricata Tina Pepper, a "perigosa" Andréia e Seu Biju são alguns dos personagens que conquistaram o Brasil em 1986 com a exibição de "Cambalacho", a primeira novela de Silvio de Abreu após a ditadura militar. O sucesso foi tão grande que, na época, o termo "cambalacho" ganhou as ruas e virou bordão do público, assim como o estilo dos personagens. A partir de 24 de agosto, eles poderão ser vistos no VIVA, substituindo a novela "Pedra Sobre Pedra". 

O autor aborda, com pitadas cômicas, a indulgência do ser humano diante das armações e da corrupção, além de evidenciar a típica mania do brasileiro de querer levar vantagem em tudo. Silvio mostra que a malandragem independe da classe social. Da fictícia vila que reúne o núcleo popular da novela ao bairro elitizado da trama, a conclusão é: dinheiro não justifica ou designa caráter. Como bem explica o trecho da trilha de abertura de "Cambalacho", "seja pobre ou rico, aqui tudo se leva no bico". 

Dirigida por Jorge Fernando e Del Rangel, com supervisão de Daniel Filho, a trama se passa em São Paulo. Protagonizada por Fernanda Montenegro e Gianfrancesco Guarnieri, conta com elenco de peso: Mário Lago, Cláudio Marzo, Natália do Vale, Susana Vieira, Emiliano Queiroz, Joana Fomm, Rosamaria Murtinho, Consuelo Leandro, Regina Casé, Débora Bloch, Edson Celulari, Roberto Bomfim, Flávio Galvão, Marcos Frota, Maurício Mattar, Luiz Fernando Guimarães, Paulo Cesar Grande, entre outros.

NANÁ E JEJÊ: CÚMPLICES NA 'TRUQUERAGEM'

Eles até tentam escapar, mas a vida de trapaças de Leonarda Furtado (Fernanda Montenegro) e Jerônimo Machado (Gianfrancesco Guarnieri) parece ser a mais apropriada para a dupla de 171 mais famosa e querida da teledramaturgia brasileira. Na atmosfera cômica de O Gordo e O Magro (Oliver Hardy e Stan Laurel), que serviram de inspiração para Silvio de Abreu, Naná e Jejê vão aplicando seus golpes e levam a vida embalados pelo bom humor. 

Enquanto a trambiqueira mor faz de tudo para manter os estudos de sua filha, Daniela (Cristina Pereira), no exterior, seu cúmplice também se vira como pode para sobreviver, mas não abandona as apostas em corridas de cavalo. Para aliviar a culpa pelas armações que apronta, Naná recolhe crianças de rua e as cria em casa. No fundo, os dois têm bom coração. 

A sorte de Naná muda quando ela recebe uma herança polpuda de seu suposto pai, Antero (Mário Lago), que não vê há 50 anos. A viúva, Andréia (Natália do Vale), no entanto, não mede esforços para conseguir a fortuna que tanto sonha. O caminho de Naná também será cruzado por uma falsa filha, interpretada por Louise Cardoso, e seus parceiros, os impostores João Pedro (Luiz Fernando Guimarães) e Armandinho (Oswaldo Loureiro). Eles se passam pelos nobres franceses Jean Pierre e Armand.

PERIGOSA: DO CARÁTER À TRILHA SONORA

Natália do Vale é a ambiciosa e impetuosa Andréia, e só está de olho na conta bancária de Antero (Mário Lago), com quem se casa. Sem escrúpulos, ela é capaz de planejar a morte do próprio marido, que some depois de um acidente em seu iate. Com o reaparecimento de Naná (Fernanda Montenegro), suposta enteada, Andréia entra em desespero e se torna a grande vilã da novela, que marcou a carreira de Natália. Ao som de "Perigosa", da banda Syndicatto, trilha indissociável à imagem e personalidade psicótica da personagem, a megera apronta com quem se mete em seus planos. 

Andréia tem como aliado o advogado Rogério, interpretado por Cláudio Marzo. Casado com Amanda (Susana Vieira), irmã de Andréia, ele faz qualquer negócio para agradar sua cliente. Ele é a grande paixão da cunhada. Mulherengo, mantém casos extraconjugais sem que a esposa desconfie. Mas, ao ser desmascarado pela parceira de anos, leva um troco à altura, e na Justiça. Amanda, que também é advogada, decide defender Naná (Fernanda Montenegro). 

Fora dos tribunais, Amanda dedica-se a administrar a Physical. A academia de ginástica é uma das principais locações da novela, e serve como ponto de encontro entre os personagens das fictícias zonas norte e sul, que trabalham ou se exercitam no espaço.

REGINA CASÉ E SUA TINA PEPPER

"Albertina, não. Tina", exige Albertina Pimenta, personagem de Regina Casé. Obcecada por Tina Turner, a fã número um da cantora transformou-se na destrambelhada Tina Pepper, um sucesso que saiu das telas para cativar os telespectadores e marcar a carreira de Regina como atriz. Um destaque do folhetim é quando ela se apresenta no "Cassino do Chacrinha" com a música "Você Me Incendeia", o hit que bombou dentro e fora da TV. Com uma interpretação sensual, Tina Pepper chegou a gravar um clipe da música do momento. 

O sonho de alcançar o estrelato parece ser hereditário quando o assunto é Albertina e Lili Bolero, impagável na atuação da atriz Consuelo Leandro. Mãe de Tina, ela é uma cantora frustrada, e culpa Ângela Maria pelo seu insucesso. É a própria Ângela, a pedido de Silvio de Abreu, que dá voz à trilha da personagem: o bolerão "Estrela de Bastidor". 

Em determinado momento da história, Tina encontra um livro de feitiços e decide usá-lo para conquistar seus pretendentes. É apaixonada por Aramis (Paulo César Grande), mas, durante a novela, também tem um romance divertido com Jean Pierre (Luiz Fernando Guimarães), que na verdade chama-se João Pedro.

ANA MACHADÃO E TIAGO: QUEBRA DE ESTEREÓTIPOS

Com Ana Machadão (Débora Bloch) e Tiago (Edson Celulari), Silvio de Abreu inverte profissões tradicionalmente masculinas e femininas e instiga o debate acerca do preconceito. Enquanto a filha de Jejê (Gianfrancesco Guarnieri) carrega no nome e na personalidade a aspereza que o dia a dia de mecânica lhe caracteriza, Tiago é um jovem bailarino que sofre porque o pai, Antero (Mário Lago), não aceita a sua escolha e o deserda. Nem Tiago nem Ana são homossexuais. Pelo contrário, ele é apaixonado por ela que, por sua vez, alimenta um amor de infância por Athos (Flávio Galvão).

SEU BIJU E SEUS SOBRINHOS

Emiliano Queiroz dá vida a Seu Biju, batalhador em casa e no amor. Trabalhou como alfaiate durante anos, mas agora vive apenas de reformas e consertos. Desde o falecimento de sua irmã, cria os sobrinhos: o competidor de motocross Athos (Flávio Galvão), o professor da Physical, Aramis (Paulo Cesar Grande), e Porthos (Maurício Mattar). Ama Lili Bolero (Consuelo Leandro), mas não sabe como conquistá-la, já que é sempre esnobado. 

Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário

.