Exibição de provas em 8K e exposição sobre história da TV serão destaques no Museu do Amanhã durante os Jogos Olímpicos

Globo e NHK promoverão sessões para exibição de provas de basquete, natação, atletismo e judô; será a primeira vez no país que acontecerá uma transmissão terrestre ao vivo em 8K

 A TV chegou ao Brasil em preto e branco em 1950. A caixa que ocupou lugar de destaque na sala passou a traduzir os brasileiros, sua arte e sua gente. E na busca de entreter, informar e divertir, ao longo de mais de 60 anos, a televisão vem evoluindo para experiências cada vez mais imersivas. Já é possível vislumbrar como assistiremos à TV no futuro. E é esta experiência que o público poderá vivenciar entre os dias 5 e 21 de agosto, no Museu do Amanhã, durante os Jogos Olímpicos.

Visitantes poderão assistir a transmissões de diversas provas em 8K, como basquete, natação, atletismo e judô. A tecnologia oferece imagens em altíssima resolução – 16 vezes superior ao HD – proporcionando um grande nível de realismo. O padrão é o mais avançado em qualidade de imagem perceptível ao olho humano, o que significa competições mais emocionantes, mais vibrantes e com mais definição.

O 8K, ou ultra-alta definição (UHD), é considerado a tecnologia do futuro da TV. Não por acaso, as transmissões acontecerão no Museu do Amanhã - criado para discutir como viveremos os próximos anos. As exibições serão conduzidas pela Globo em parceria com a emissora japonesa NHK e é a primeira vez no país que haverá uma transmissão terrestre ao vivo em 8K.

A experiência é parte da exposição “Experiência do Amanhã - A evolução da Televisão no Brasil”, que contará a história da TV, sua origem, evolução e o que vem por aí. Em totens e imagens de acervo, a viagem começará pelos anos 50 e 60. O visitante poderá ver – ou rever - imagens da chegada do homem à lua e de um amistoso entre Brasil e URSS no Maracanã, com a presença do então futuro presidente Kennedy.

O segundo set da exposição (anos 70) mostra a primeira evolução dos aparelhos, quando as imagens passaram a chegar coloridas e os televisores ganharam botões de brilho e contraste. Trechos curiosos, como a primeira novela a cores no Brasil – ‘O Bem Amado -, imagens da Copa do México e das Olimpíadas de Munique e Montreal fazem parte da coleção.

Nos anos 80 e 90, a expansão do sinal analógico terrestre, o controle remoto e o áudio estéreo começaram a revolucionar a forma de se assistir TV. Ao mesmo tempo, a qualidade das produções brasileiras começou a ser reconhecida internacionalmente. O público relembrará desta época através de imagens de produções como ‘Terra Nostra’, ‘Vinicius para Crianças’, além de takes históricos dos Jogos de Moscou, Los Angeles, Seul, Barcelona e Atlanta.

Chegando aos anos 2000, a exposição retrata a evolução para TVs de LCD, a imagem em alta definição captada em 5 canais de áudio, a tecnologia 4K e a expansão do conteúdo para múltiplas telas. Por fim, o público chega à experiência do futuro, com transmissões em ultra-alta definição no auditório do museu – uma tecnologia que, prevê-se, deve tornar-se comercial no mundo em 2020.
Para conhecer a exposição, os interessados devem adquirir os ingressos no site do Museu do Amanhã (www.museudoamanha.org.br), que dará direito a assistir a uma transmissão em ultra-alta definição.



Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário

.