Saiba tudo sobre a novela Sol Nascente, que estreia na próxima segunda


Um homem e uma mulher de temperamentos opostos ligados por uma forte amizade de infância. Duas famílias de culturas bem distintas unidas por uma cumplicidade que atravessa gerações. Uma cidade que inspira paixões e aguça os sentidos, convidando visitantes e moradores a desfrutar do melhor da vida. Esse é o cenário para o surgimento de um amor improvável que conduz a trama de ‘Sol Nascente’, próxima novela das seis, de Walther Negrão, Júlio Fischer e Suzana Pires, com direção artística de Leonardo Nogueira e direção geral de Leonardo Nogueira e Marcelo Travesso.

Muito diferentes no jeito de ser e no modo de encarar a vida, Mario e Alice cresceram juntos, já que suas famílias sempre foram bem próximas. Uma amizade que começou há mais de 50 anos entre o japonês Kazuo Tanaka (Luis Melo), pai de criação de Alice, e os italianos Gaetano De Angeli (Francisco Cuoco) e Geppina (Aracy Balabanian), pais de Vittorio (Marcello Novaes) e avós de Mario (Bruno Gagliasso), Milena (Giovanna Lancellotti), e Peppino (João Côrtes). Apesar das diferenças culturais, os dois clãs se ajudaram muito na chegada ao Brasil e ao longo da vida que estabeleceram na fictícia Arraial do Sol Nascente, sofisticada cidade turística cercada por praias paradisíacas e impregnada de música, juventude, diversão e muito romance.

Enquanto Alice (Giovanna Antonelli) se tornou uma mulher objetiva e racional, Mario (Bruno Gagliasso) ainda carrega a imaturidade dos tempos da adolescência. Mesmo assim, a amizade sempre foi sólida apesar da diferença de idade e a parceria dos dois só aumentou ao longo dos anos. Tudo muda quando Mario fica sabendo que “Sargento Sardinha” – forma carinhosa com que ele trata a filha do japonês – se afasta por dois anos para estudar no Japão. Mario percebe, então, um sentimento antes desconhecido, uma inesperada paixão por sua amiga de infância. E para conquistar a mulher que descobre ter sempre amado, ele terá que mudar.

Alice encontra a segurança emocional que tanto valoriza na figura do manipulador Cesar (Rafael Cardoso). O rapaz que só pensa em se dar bem na vida, custe o que custar, vê em Alice o alvo perfeito. Os dois começam um relacionamento durante os anos de estudo no Japão. Alice acaba se encantando pelo seu jeito atencioso, determinado e maduro. Quando voltam da temporada fora do Brasil, Cesar decide se mudar para Arraial, com a avó, dona Sinhá (Laura Cardoso). Seu objetivo é claro: conquistar Alice e a empresa de pescados da família.

Melhores amigos podem se apaixonar?

Desde a infância, Mario (Bruno Gagliasso) e Alice (Giovanna Antonelli) são como “unha e carne”. Mesmo antes de Mario se mudar com toda a família para Arraial do Sol Nascente, eles sempre passaram férias juntos, com direito a muitos mergulhos nas praias de Arraial, onde Alice nasceu e se criou.

Quando a amiga perdeu a mãe, ainda criança, foi Mario quem mais a amparou. O bom humor, o jeito descompromissado e o companheirismo do Bello, como Alice costuma chamá-lo, foram essenciais para atravessar a fase difícil. E assim aconteceu em todos os momentos da vida da filha de Tanaka. Mario estava sempre presente. Ela também foi testemunha do primeiro beijo que ele deu em uma menina e de várias outras passagens da vida do amigo. Enquanto na adolescência ele colecionava namoradas, a vida amorosa de Alice (Giovanna Antonelli) era mais discreta. Quatro anos mais velha que Mario, ela teve uma criação mais rígida e, por isso, um perfil recatado. Alice sabe que o sonho do pai Tanaka (Luis Melo) é vê-la casada com um homem de boa índole, trabalhador e respeitador dos bons costumes.

Com o passar dos anos, a amizade entre eles se fortaleceu cada vez mais. Mas quando Alice (Giovanna Antonelli) conta para o amigo que ficará dois anos estudando no Japão, Mario (Bruno Gagliasso) é atingido por uma tristeza que nem ele entende. Um vazio grande toma conta dele, o que contrasta com o homem sempre tão divertido e alto astral que ele é. Alice, a princípio, não entende a atitude de Mario. Ele ainda tenta disfarçar, mas não por muito tempo. O filho de Vittorio (Marcello Novaes) é o primeiro a perceber que essa ligação de amizade deu lugar a uma paixão incondicional.

Atraente e perigoso: seu nome é Cesar Teixeira

Hábil e estrategista, Cesar (Rafael Cardoso) é o que se pode chamar de lobo em pele de cordeiro. Um sujeito acima de qualquer suspeita, ele não precisa se esforçar muito para conseguir envolver e seduzir. A segurança que ele proporciona é o que mais encanta Alice (Giovanna Antonelli).

Desde o momento em que cruza com a filha de Tanaka (Luis Melo) no Consulado do Japão, em São Paulo, Cesar identifica em Alice uma oportunidade de investimento. Sua intuição se fortalece ainda mais quando ele percebe que Alice se matricula no mesmo curso de MBA de Finanças e Administração na Universidade de Yokohama. Ele vai cuidar para que não seja apenas uma coincidência. Depois de conquistar a bolsa de estudos, Cesar rapidamente abandona o antigo emprego e dispensa também a inocente Sirlene (Renata Dominguez) sem a menor cerimônia.

Os dois dividem um pequeno apartamento no centro de São Paulo, mas a relação não é das melhores. Sirlene gosta de Cesar, apesar dos maus tratos, e não aceita ser desprezada. Ela ainda alimenta a esperança de manter o relacionamento e se dispõe a esperar o retorno de Cesar do Japão. Mas nada disso sensibiliza o rapaz, que é rápido ao descartar qualquer possibilidade de manter contato. Mesmo depois que Sirlene dá a notícia de que está esperando um filho dele.

O foco de Cesar é se preparar para a temporada de dois anos no Japão. Investir nos estudos sempre foi o grande conselho de dona Sinhá (Laura Cardoso). A avó de Cesar, uma quituteira mineira de mão cheia com direito a livro publicado, sonha em vê-lo como um profissional bem-sucedido.

Alice e Cesar começam um relacionamento durante os estudos no Japão e dois anos depois retornam juntos para Arraial do Sol Nascente. Ao se instalar no balneário, na pousada Marseille, acompanhado de Dona Sinhá, Cesar tem mais uma missão: afastar Mario (Bruno Gagliasso), o melhor amigo de Alice, do caminho e tomar a Arraial Pescados. Contando com o conhecimento adquirido no exterior, Cesar vai se dedicar muito para conquistar a confiança do velho samurai Tanaka (Luis Melo) e se infiltrar na empresa.

Relações de amizade e o surgimento de um grande amor

Não importa a cultura, a descendência ou religião. As relações familiares e humanas estão presentes em todos os núcleos de Sol Nascente. E ficam ainda mais evidentes quando vemos a amizade do italiano Gaetano De Angeli (Francisco Cuoco) e do japonês Kazuo Tanaka (Luis Melo). Diferentes na origem e no jeito de ser, os dois não perdem a oportunidade de implicar um com o outro. Discutem sobre tudo mas, no fundo, se amam e se admiram. E essa amizade começou lá no início da década de 1960, quando eles chegaram ao Brasil e tiveram, como primeira acolhida, a Hospedaria dos Imigrantes do Brás, em São Paulo.

Os laços entre Tanaka (Luis Melo), Gaetano (Francisco Cuoco) e a esposa Geppina (Aracy Balabanian) se fortaleceram e atravessaram gerações. A ponto de se tornarem confidentes. Tanaka, por exemplo, é o único conhecedor do real motivo da vinda de Gaetano e Geppina para o Brasil. De origem humilde, ele era um ajudante de padeiro em Palermo ao conhecer Filumena Giunchetti, verdadeiro nome de Geppina. Ela, uma linda “ragazza”, prometida a Manfredo Giulini, filho de um poderoso “cappo” da máfia italiana. O casamento arranjado era o desejo do pai dela. Mas nos assuntos do coração ninguém pode interferir. Tanto que quando a jovem cruza com Luigi Borelli numa Fontana, a paixão é avassaladora. Um verdadeiro encontro de almas. A partir de então, os dois resolveram não se separar nunca mais.  Estava decidido: encarar o pai de Filumena seria a única solução. E Luigi foi até ele pedir para que o acordo com a máfia fosse desfeito. Sem sucesso, o padeiro teve o pedido de casamento recusado e ainda foi humilhado pelo italiano. A solução encontrada foi fugir. E o Brasil, o destino escolhido. Para viver o grande amor e evitar a perseguição da máfia, os dois deixaram a Itália e mudaram seus nomes para Gaetano e Giuseppina (Geppina).

De Angeli: a família italiana

Geppina (Aracy Balabanian) e Gaetano (Francisco Cuoco) não podiam imaginar que construiriam uma família tão unida e animada. Eles são do tipo que faz tudo junto: trabalham, vivem, comem e, de vez em quando, discutem também. Em São Paulo, se estabeleceram, criaram raízes e formaram uma linda família com o nascimento do filho único, Vittorio (Marcello Novaes), que se tornou um padeiro de mão cheia e gerente da Pane Madre, uma padaria que é referência na cidade. 

Filho atencioso, Vittorio se desdobrou para criar os três filhos, Mario (Bruno Gagliasso), Milena (Giovanna Lancellotti) e Peppino (João Côrtes), depois que a mulher, Loretta (Claudia Ohana), abandonou a família e sumiu no mundo. Mario frequentou vários cursos de mecânica e possui uma enorme habilidade para consertar motos e motores de barcos – o que eventualmente lhe rende alguns trocados, mas que está longe de ser uma atividade constante à qual ele se dedique como profissão. Vittorio não aprova a vida desregrada do filho e pega no pé dele para que também ajude na padaria.

Já Milena (Giovanna Lancellotti) trabalha no caixa da padaria familiar. É uma menina tímida, sem vaidade e de poucos amigos. Bastante controlada por Vittorio (Marcello Novaes), um pai superprotetor, ela é a única que ainda mantém contato com a mãe, Loretta (Claudia Ohana), mas somente pela internet. Mario, assim como o pai, até hoje não perdoou a atitude da mãe e nem quer saber de ouvir falar nela. Alheio a tudo isso, o caçula Peppino (João Côrtes) está mais interessado em conquistar garotas, mas raramente tem algum sucesso.

A mudança da família para o litoral é motivada depois que Geppina (Aracy Balabanian) passa mal ao se deparar com o detetive Damasceno (Emílio Orciollo Neto). A mando de Don Manfredo, o noivo abandonado por Geppina e herdeiro do grande cappo da máfia, o italiano está no Brasil à procura da matriarca dos De Angeli.

Em Arraial, os De Angeli reabrem a padaria, agora com o nome Pasta Pane. É na nova cidade que Vittorio, que até então só vivia para o trabalho, começa a se interessar por Lenita (Letícia Spiller), uma mulher independente, dona do bar Rota 94, e com um jeito bem diferente do seu. A chegada dos italianos em Arraial do Sol Nascente vai movimentar não somente a cidade, mas muitos corações também.

Tanaka: a família japonesa

Kazuo Tanaka (Luis Melo), mais conhecido como Tanaka, é o patriarca da família japonesa de Sol Nascente. Muito jovem, migrou para o Brasil e ainda na estação de trem em São Paulo conheceu o casal Geppina (Aracy Balabanian) e Gaetano (Francisco Cuoco). Enquanto os italianos se estabeleceram na capital paulistana, Tanaka fincou raízes na fictícia Arraial do Sol Nascente, uma cidade turística e litorânea. Com a determinação de um samurai e muito trabalho, aos poucos foi construindo seu patrimônio. Hoje é dono da Arraial Pescados, referência no mercado de sardinha.

A família sempre teve uma importância muito grande para Tanaka (Luis Melo). Ele, que viveu sozinho por anos, viu sua vida mudar ao conhecer Rosário (Karolina Albertassi), pescadora e líder  de um grupo de mulheres caiçaras. Ela é mãe de Alice (Giovanna Antonelli), na época uma criança de quatro anos. Os dois se apaixonaram, se casaram e Tanaka logo assumiu Alice como filha legítima, e a criou segundo os costumes de seu país natal. Em pouco tempo, a pequena Alice começou, inclusive, a dominar o idioma japonês. A relação entre enteada e padrasto se fortaleceu ao longo dos anos com muito amor, respeito e cumplicidade, e diante de um baque: a morte inesperada de Rosário, quando a menina tinha apenas 12 anos. Desde então, Alice tem grande carinho e gratidão pelo seu “otô-san”, o pai do coração.

Alguns anos depois, a família japonesa aumentou. Mieko (Miwa Yanagizawa), irmã mais nova de Tanaka (Luis Melo), perdeu o marido no Japão. E cumprindo a tradição japonesa, que reza que o irmão deve sempre acolher a irmã solteira, viúva ou desamparada, Tanaka convidou Mieko para viver com ele e Alice (Giovanna Antonelli). Ela aceitou prontamente e trouxe os três filhos: Hiromi, também conhecida como Hirô, (Carolina Nakamura), Yumi (Jacqueline Sato) e Hideo (Paulo Chun).

Todos cresceram em Arraial, mantendo a cultura japonesa viva entre eles, mas adaptados aos costumes brasileiros. Com exceção de Hirô (Carolina Nakamura), que sonha em se casar cumprindo as tradições e faz questão de se envolver com pretendentes de origem japonesa. Ela trabalha como secretária na empresa do tio e sente uma ponta de ciúmes da relação dele com Alice (Giovanna Antonelli) e também da mãe, Mieko (Miwa Yanagizawa), que assume a figura materna para a prima.

Enquanto isso, Yumi (Jacqueline Sato) se tornou uma promissora artista plástica e designer. Com habilidade para fazer peças e luminárias utilizando bambu, a jovem é bem encaminhada profissionalmente. Mas quando o assunto é vida pessoal, a filha de Mieko (Miwa Yanagizawa) ainda está longe de realizar seu grande desejo: tornar-se mãe. Melhor amiga da prima Alice (Giovanna Antonelli), Yumi é uma espécie de conselheira da família e está sempre a postos para ajudar. Já Hideo (Paulo Chun), o caçula dos Tanaka, é um tipo geek, super habilidoso com jogos eletrônicos e programas de computador. Na escola, não tem problemas com matemática nem física. Seu único ponto fraco são as garotas. Sempre ao lado do amigo Peppino (João Côrtes), filho caçula de Vittorio (Marcello Novaes), os dois tentam, sem sucesso, conquistar as meninas.

Rota 94: o point de Arraial do Sol Nascente

Sabe um lugar que tem boa música, palco para shows, um bar que oferece as melhores bebidas, estúdio de tatuagem e ainda reúne pessoas de diferentes estilos e gostos musicais? Assim é o Rota 94, ponto de encontro dos moradores de Arraial do Sol Nascente, além dos motociclistas e turistas da cidade, que atrai cada vez mais jovens e amantes de esportes. O lugar é sucesso total, e isso se deve em grande parte à competência de Lenita (Leticia Spiller), mulher batalhadora e de personalidade forte, que gerencia o Rota 94 e ainda sobe ao palco de vez em quando para soltar a voz ao som dos clássicos do rock‘n’roll, para delírio da clientela fiel.

Desde que perdeu os pais, ainda muito jovem, Lenita (Leticia Spiller) chamou para si a responsabilidade de cuidar do irmão Ralf Tattoo (Henri Castelli). Não foi tarefa fácil. Um tanto imaturo e extremamente ciumento, o tatuador chegou a cumprir pena em uma instituição para menores infratores depois de ser condenado por agredir um ex-namorado de Lenita. Na cadeia, aprendeu seu ofício e hoje é um dos profissionais mais respeitados da área.

Dos tempos de adolescente, ele ainda carrega o sentimento de proteção com relação à irmã. Tanto que Lenita escondeu por um tempo que estava se relacionando com Felipe (Marcelo Faria), um dos melhores amigos de Ralf. Mas quando descobre o romance, Ralf acredita que é a chance de Lenita reencontrar o amor e apoia o namoro entre os dois. Felipe é o tipo romântico e quer formalizar a relação, para pânico de Lenita (Leticia Spiller), que prefere algo mais descompromissado. Machucada por uma desilusão do passado, ela não quer mais saber de compromisso, muito menos de casamento. Seu lema é ser livre e feliz.

No Rota, Lenita (Leticia Spiller) também conta com a ajuda de Kika (Flavia Guedes), a assistente, garçonete e amiga faz-tudo. Kika ainda aproveita para dar uns conselhos a Lenita e não esconde sua queda pelos belos frequentadores do Rota. Sempre esperta e atenta, ela é uma das primeiras a perceber o interesse de Vittorio (Marcello Novaes) por Lenita, um encantamento à primeira vista. Apesar dos estilos bem diferentes, Lenita e Vittorio começam uma amizade, o que deixa Felipe (Marcelo Faria) bastante enciumado.

As Caiçaras: trabalho e natureza em harmonia

Para elas, não tem tempo ruim. Chova ou faça sol, lá estão elas, incansáveis e prontas a ajudar umas às outras. As caiçaras são um grupo de mulheres pescadoras nômades, descendentes de negros e índios que se sustentam através da pesca artesanal. São ciganas do mar. Elas chegam de barco a Arraial do Sol Nascente e se instalam por lá. Pescam com rede de emalhar, com arpão indígena, e têm na figura de Chica (Tatiana Tibúrcio), a líder do grupo.

Chica (Tatiana Tibúrcio) é muito respeitada pela comunidade e fora dela também. Tem um carinho especial por Alice (Giovanna Antonelli), filha da ex-líder das caiçaras, Rosário (Karolina Albertassi), que se casou com Tanaka (Luis Melo). O espírito de cooperação das caiçaras e a escassez de peixes na região também vai aproximar Tanaka do grupo, agregando assim a pesca artesanal à pesca industrial.

A união é realmente a marca registrada dessas mulheres. Dora (Juliana Alves), irmã mais nova de Chica, é uma das caiçaras. Casada com Tiago (Marcello Melo Jr), os dois formam um casal apaixonado. Para a felicidade completa de Dora só falta mesmo um filho. Tiago é resistente à ideia no início. Pescador atuante e artesão autodidata, com muita habilidade para confecção de móveis e peças em bambu, ele acredita que criar um filho nas condições em que vivem não seria tarefa fácil. Mas quando a mulher anuncia a gravidez, a alegria toma conta da família.

As irmãs Julia (Erika Januza) e Vanda (Cinara Leal) também fazem parte do grupo. A rotina de trabalho delas em Arraial não se altera nem com a chegada dos companheiros vindos de Santa Catarina. Ainda assim, elas não escondem a felicidade do reencontro com seus parceiros. Quirino (Val Perré), companheiro de Chica, Nuno (Pablo Morais), e Cauã (Lucas Sapucahy), respectivamente marido e filho de Vanda, se juntam a elas para ajudar na pesca e na venda do pescado na cidade. O retorno de Nuno mexe com Julia, a irmã caçula de Vanda. Tudo porque no passado eles tiveram um rápido relacionamento, mas ela nunca esqueceu o atual cunhado.

Pousada Marseille: um toque de charme na cidade

Quem chega a Arraial do Sol Nascente encontra além das praias paradisíacas, paisagens incríveis e restaurantes com o melhor da gastronomia, uma pousada que é puro charme. Marseille é um hotel boutique, que reúne conforto e sofisticação num único ambiente. A decoração traduz bem o perfil de seus proprietários: o casal Ana Clara (Silvia Bandeira) e Patrick Lambert (Jean Pierre Noher). Os dois se conheceram anos atrás quando Ana Clara resolveu fazer um cruzeiro para espairecer após uma separação traumática. O capitão do navio era justamente o francês Patrick e a atração entre eles foi imediata. Não se largaram mais e até hoje vivem em eterna lua de mel. Ana Clara gerencia com a ajuda de Patrick a principal e mais disputada pousada de Arraial, que leva o nome da cidade francesa que Patrick nasceu.

Ele também trabalha na Arraial Pescados e é o braço direito de Tanaka (Luis Melo) na condução das embarcações da pesca de sardinha. Mas a harmonia do casal é abalada com a chegada de Carolina (Maria Joana) à cidade. A jovem de caráter duvidoso é filha de Ana Clara (Silvia Bandeira), fruto do primeiro casamento. Com a separação dos pais, Carol optou por ficar com o pai para não perder a boa vida e, assim, continuar gastando à vontade com roupas, viagens e passeios. Mas quando a fonte seca, ela não tem outra alternativa senão ir atrás da mãe em Arraial. Com a desculpa de querer se reaproximar de Ana Clara, Carol se faz de vítima e pede para passar uns tempos por lá. A mãe fica emocionada. Carol consegue enganar Ana Clara, mas não Patrick (Jean Pierre Noher).

O velho lobo do mar percebe bem o caráter da enteada e não facilita a vida para Carolina. Não demora muito e ela, que não é chegada a trabalho, começa a ajudar a mãe na pousada. César (Rafael Cardoso), que também está hospedado por lá junto com a avó, dona Sinhá (Laura Cardoso), percebe que Carol (Maria Joana) pode ser uma ótima aliada para manter Mario (Bruno Gagliasso) afastado de Alice (Giovanna Antonelli). Em troca de uma boa recompensa, a filha de Ana Clara começa a pôr o plano em prática e logo se aproxima do filho de Vittorio ( Marcello Novaes).

Outro reforço na recepção do estabelecimento é a beata Elisa (Luma Costa). Depois de se hospedar na pousada junto com Damasceno (Emílio Orciollo Neto), o trapalhão detetive italiano, Elisa resolve trabalhar na Marseille como forma de custear a hospedagem. Muito religiosa, a jovem também gosta de contar para os clientes as histórias e origem dos santos. Bem diferente da “pegadora” Paula (Anna Lima), outra hóspede de lá. Disposta a se divertir sempre bem acompanhada, Paula é conhecida na cidade pelo jeito descompromissado. Já trocou beijos com Mario (Bruno Gagliasso) e gosta de flertar com os homens de Arraial, turistas ou não.
Cenografia e produção de arte: mistura de culturas, sabores e estilos      

O colorido de ‘Sol Nascente’ é resultado da convivência de diferentes culturas, sabores e estilos: italianos, japoneses, uma comunidade de pescadoras, tatuadores, roqueiros, surfistas, motociclistas. Todos esses tipos se encontram na fictícia Arraial de Sol Nascente, proporcionando às equipes de cenografia e produção de arte um universo rico em diversidade e detalhes.

Animação, cumplicidade, amor e comida farta não vão faltar no núcleo da família De Angeli. Uma casa italiana, com certeza! Pães, massas e doces de dar água na boca. As baguetes, bisnagas e os pães italianos são o carro-chefe da padaria Pasta Pane, de Geppina (Aracy Balabanian) e Gaetano (Francisco Cuoco), gerenciada pelo filho, Vittorio (Marcello Novaes). Entre os destaques, o cannollo, um canudo recheado de ricota, bastante apreciado na Itália, e um dos preferidos da família. A matriarca Geppina é uma expert na sobremesa. “É uma família com vida intensa. Aquela bagunça com todo mundo falando junto e ao mesmo tempo. Muitos objetos coloridos compõem o cenário desse núcleo, que é alto astral e acolhedor”, explica Nininha Médicis, a produtora de arte da novela. E, nas paredes da casa, fotos antigas de família e pratos temáticos coloridos. As cores ocre e mostarda são predominantes neste núcleo.

Já para a casa de Tanaka (Luis Melo), o patriarca da família japonesa, o clima minimalista dá o tom do cenário. Como vive há mais de 50 anos no Brasil, o diferencial é a mescla de elementos e objetos das duas culturas. “Tanaka trouxe a alma japonesa para o Brasil e se adaptou também ao país. Ainda cultiva a serenidade, o jeito metódico e detalhista. E essa harmonia está presente também em sua casa”, explica o cenógrafo Gilson Santos. Uma das novidades é a utilização de bambu na casa que foi construída nos Estúdios Globo. Foram utilizados 3000 bambus tratados para fazer a cerca da casa do pai adotivo de Alice (Giovanna Antonelli) e 60 palmeiras tipo jerivá para compor o ambiente. Linear e com um lago de carpas e espaço para meditação, o lugar também tem um anexo onde funciona o ateliê de Yumi (Jacqueline Sato), que é artista plástica.

Outro cenário importante é o Rota 94, o bar gerenciado por Lenita (Letícia Spiller), que reúne ainda o estúdio de tatuagem de seu irmão, Ralf Tattoo (Henri Castelli), e um palco para apresentações musicais, uma oficina de motocicletas e uma barbearia. O Rota foi construído num espaço da cidade cenográfica que mescla uma estrutura de demolição com a modernidade da decoração inspirada nos bares temáticos americanos de motociclistas.

Para as caiçaras, o grupo de mulheres liderado por Chica (Tatiana Tibúrcio), e que conta também com Dora (Juliana Alves), Júlia (Erika Januza) e Vanda (Cinara Leal), foram confeccionadas várias redes e cestos que auxiliam na pesca. As atrizes também aprenderam a caçar caranguejos e treinaram o movimento de jogar a rede corretamente no mar para pescar. “Como elas se sustentam por meio da pesca artesanal, é importante termos elementos que retratem essa realidade do grupo”, explica Nininha.

Como Arraial do Sol Nascente é um balneário turístico e charmoso, repleto de praias paradisíacas, reúne também muitos jovens praticantes de esportes. Por isso, foram confeccionadas quatro pranchas de stand up padle especialmente para as personagens das irmãs Yumi (Jacqueline Sato) e Hirô (Carolina Nakamura). A de Yumi tem estampas exclusivas florais e a de Hirô, formas geométricas com listras e bolas. Dois caiaques e 12 pranchas de surfe também são usados nas gravações.

Figurino e caracterização: tradicional e moderno

Os amigos Alice (Giovanna Antonelli) e Mario (Bruno Gagliasso), apesar de personalidades diferentes, têm em comum a modernidade de seus figurinos. Alice prefere roupas mais elegantes sem deixar de lado a ousadia, e Mario adota o estilo despojado. “Ele é o nosso James Dean”, define a figurinista Labibe Simão. Jeans, camisetas, coturnos, jaqueta de couro e acessórios como pulseiras e anéis dão o tom do personagem que também é motociclista. Para Alice (Giovanna Antonelli), que passa dois anos estudando no Japão, há uma influência da cultura do país nas roupas e acessórios. “O guarda-roupa dela inclui calça tipo flare, uma releitura de um quimono tradicional japonês e os acessórios também são diferentes, como um colar longo de duas voltas mesclando com um visual mais simples”, adianta Labibe. 

Giovanna conta que está adorando as combinações de culturas. “O interessante é a mistura inusitada e a forma diferente de usar peças que já conhecemos. Estou encantada com esse estilo e com a influência da cultura japonesa no figurino e acessórios”, explica a atriz. O look inclui ainda chapéus e peças que fogem do convencional. “O tamanco de camurça com madeira, que é pesado e tem forte influência do Japão, é um dos exemplos. Para o dia-a-dia, sapatos tipo oxford são a preferência de Alice”, explica a figurinista.

As tatuagens também têm lugar de destaque na novela. Ralf, por exemplo, o tatuador vivido por Henri Castelli, ostenta cerca de 40 tattoos espalhadas pelo corpo. “O processo de aplicação das tatuagens leva cerca de três horas e os desenhos chegam a permanecer por 5 a 7 dias no corpo”, explica a caracterizadora Gilvete Santos, que utiliza uma película de silicone e caneta própria para tatuagem para fixar os desenhos. Outros personagens tatuados são Lenita (Leticia Spiller), Felipe (Marcelo Faria), e Mario (Bruno Gagliasso). Bruno, inclusive, vai assumir suas tattoos verdadeiras. “Pela primeira não vou precisar esconder com maquiagem”, conta o ator.

Já Lenita (Leticia Spiller), dona do Rota 94, o bar que é ponto de encontro dos jovens e motociclistas de Arraial do Sol Nascente, abusa das peças de couro, calças justas, colares pratas, correntes e muitos anéis. “Estou gostando também do cabelo, do visual. Dá um pouco mais de trabalho porque a raiz está com um tom avermelhando, então precisa retocar e tratar mais”, explica Leticia.

As gravações

A Região dos Lagos, no Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Iha Grande e a cidade de São Paulo foram algumas das locações escolhidas pelo diretor artístico Leonardo Nogueira. Na capital paulistana, as gravações na Avenida Paulista, no Masp, no Museu da Imigração e nas ruas do centro mobilizaram uma equipe de 60 pessoas entre produção, elenco e figuração. A cidade foi cenário para a gravação de cenas que mostram a primeira vez em que o antagonista Cesar (Rafael Cardoso) e Alice se cruzam, passeios de Alice (Giovanna Antonelli) e Mario (Bruno Gagliasso) pela cidade, a sequência em que Cesar pede demissão do emprego depois que conquista uma bolsa de estudos no Japão, e o encerramento das atividades na padaria Pane Madre, da família De Angeli, dentre outras. Três caminhões repletos de material de cenografia, figurino e arte partiram do Rio rumo à capital paulista.

Guararema, no interior de São Paulo, foi outra locação escolhida. Por lá foram gravadas as cenas que mostram o primeiro encontro entre o casal de italianos, Geppina (Daphne Karla / Aracy Balabanian) e Gaetano De Angeli (Igor Monteiro / Francisco Cuoco), e o japonês Kazuo Tanaka (Daniel Uemura / Luis Melo), ainda na estação de trem, na chegada ao Brasil.

Antes de São Paulo, a novela passou pela Região dos Lagos.  As praias de Ilha Grande, Arraial do Cabo e Búzios foram escolhidas para o início das gravações de Sol Nascente. Sob o comando de Leonardo Nogueira, os trabalhos por lá envolveram cerca de 100 profissionais, incluindo elenco, direção, produção e figurantes. Em 20 dias de viagem, as Lagoas Verde e Azul, além das praias do Pontal, em Arraial do Cabo, do Forno, Azeda/Azedinha, Foca, Brava, Manguinhos e Tucuns, em Búzios, serviram de cenário para as primeiras cenas da novela. Dois caminhões com figurinos, dois caiaques, 12 pranchas de surfe, quatro de stand up paddle, sete motos, redes e cestos de pesca foram levados para a região.

O visual também inspirou o elenco. Entre um intervalo e outro das gravações, o mergulho nas águas cristalinas de Ilha Grande foi inevitável. Henri Castelli, que interpreta o tatuador Ralf, foi um que não perdeu tempo. Assim como sua companheira de cena Carolina Nakamura, a Hirô, que também arriscou umas remadas com o stand up paddle. “O contato com a natureza é sempre maravilhoso e o lugar é inspirador”, pontuou Henri.

Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário

.