SBT paga caro por erros primários e falta de estratégia

By | Comente

2016 vai se encerrando de forma não muito satisfatória para o SBT, que vinha embalado nas tardes com novelas mexicanas inéditas.

Nesta semana, o canal anunciou a volta de Rubi, que vai substituir A Usurpadora: a trama de Paola e Paulina está sendo picotada para sair do ar antes do previsto.

A produção não repetiu o sucesso de suas outras “500” reexibições: escalada ano sim e no outro também, a atração inicialmente voltou à TV para ser transmitida somente para São Paulo, mas os baixos índices fizeram com que Silvio Santos decidisse por um novo horário, agora para todo o Brasil.

Apesar de conseguir superar a Record, A Usurpadora registra 4 ou 5 pontos de média, bem abaixo do desejado e longe dos números de outrora. Ou seja, O SBT conseguiu desgastar um clássico, já que se alterna com Maria do Bairro – outro curinga – na programação.

Como resultado, a audiência das mexicanas inéditas que sucedem A Usurpadora despencou. Se antes chegavam aos 9 pontos, agora estacionaram entre 5 e 7 pontos.

Para ajudar, a faixa vespertina ainda tem o Fofocando, que, marcando apenas 4 pontos em diversas ocasiões, também prejudica o Casos de Família.

A criação de Silvio Santos, que visava desestruturar o A Hora da Venenosa, da Record, não cumpriu seu objetivo por ser similar ao concorrente e, não por acaso, é alvo de apostas sobre quanto tempo ainda fica no ar.

Aliás, o SBT também... continue lendo.
Postagem mais recente

0 comentários: